às 17:07:00

Como a Odontologia contribui para o meio ambiente

Ainda em pauta como mês da conscientização ambiental, junho é o período em que é ressaltada a importância da sustentabilidade e da responsabilidade ambiental. Você sabe como a Odontologia pode contribuir para a saúde do planeta?

De acordo com a professora Isabela Floriano, coordenadora do curso de Odontologia do Uninovafapi, a profissão pode contribuir com um mundo mais sustentável de várias maneiras. Primeiramente, ela cita uma prática muito comum em outras profissões que é o uso de tecnologias que ajudam a economizar ou excluir o uso de materiais como papel, reduzindo a produção de lixo de uma forma em geral.

Focando mais na área, a professora elenca como medida essencial para uma odontologia sustentável o controle rigoroso do descarte dos materiais do lixo odontológico, mas sempre é necessário ter atenção e cuidado. “O descarte correto, especialmente alguns produtos exclusivos, deve ser feito com bastante critério seguindo a normativa nacional”, pontua.

Isabela explica que o dentista pode contribuir reduzindo o consumo de certos materiais que são mais danosos ao meio ambiente, como o amálgama, o revelador e o fixador. “São materiais que hoje já temos substitutos que não causam danos ao meio ambiente. O amálgama pela resina composta e o revelador e fixador pela radiologia digital. Caso não seja possível fazer a substituição, porque há um custo para isso, que seja feita uma redução significativa do uso desses materiais”.

Além disso, Isabela também analisa normas mais antigas da profissão para separação do lixo infectante e não infectante, e o que é não infectante reciclável.

O consultório odontológico geralmente tende a consumir bastante energia e água, mas isso não é uma desculpa para deixar a responsabilidade ambiental de lado. “Podemos também contribuir para preservar os recursos naturais com a economia de água e energia no consultório. Manter o consultório em manutenção e controle seguindo os preceitos e economia também é um trabalho de frente de preservação e economia, não só para o dentista, mas para o mundo”, afirma Isabela.


Fonte: