às 14:14:00

#VemProCentro: Projetos levam estudantes de arquitetura para vivenciar

No dia 21 de outubro, o curso de Arquitetura e Urbanismo realizou, no Clube dos Diários, o projeto de extensão #VemProCentro. A edição marca o retorno do evento após o período de pandemia. A proposta é levar os estudantes para vivenciar o centro, conhecendo o patrimônio da cidade. Além disso, a experiência proporciona o diálogo e a troca de experiências por meio da apresentação de trabalhos de pesquisa na área, oficinas, palestras e visitas guiadas.

A coordenadora do curso de Arquitetura e Urbanismo, Isis Meireles, afirma que o retorno do projeto se deu por vontade dos próprios alunos. De acordo com a professora, o projeto trabalha de maneira bem ampla várias capacidades e habilidades dos participantes. Ela enfatiza o objetivo do projeto de trabalhar a cidade e treinar o olhar dos estudantes. “É muito importante para o estudante de arquitetura ter esse olhar para a realidade, sair da sala de aula, entrar em contato com a cidade e vivenciar essas experiências. Nessa edição a gente traz apresentação de trabalhos, com viés acadêmico, mas também tem visitas guiadas, onde trabalhamos a arquitetura através das próprias edificações, do cotidiano das pessoas, problemas urbanos e outros”, relata Isis.

Para Vinicius Maia, acadêmico do 8º período curso, Arquitetura é um curso que precisa ter vivência. Ele pontua que centro está repleto de ícones arquitetônicos e essa é uma oportunidade para conhecer a evolução de todo o processo de construção da arquitetura local. “Não foi a primeira vez que eu participei, mas essa experiência pós pandemia foi muito importante porque a gente se reconectou com a parte do centro. As pessoas sempre passam por aqui, mas não param para observar o quão educativo é. É nesse momento, que a gente vem para essa região e olha de uma forma diferente, percebemos a importância da nossa história e vemos que isso tudo tem relevância na história de Teresina. Conhecer mais sobre o centro me torna mais cidadão e pertencente à cidade”, avalia o acadêmico.


Fonte: